O neurocientista Augusto Buchweitz (PUC-RS), membro da Rede cpE, mantém o projeto Projeto Acerta, que analisa cerca de 200 crianças entre 8 e 16 anos com quadro de dislexia (dificuldades em leitura) ou discalculia (dificuldades com cálculos matemáticos).

O principal objetivo do projeto é compreender por que algumas crianças desenvolvem transtornos de aprendizagem e leitura. Em conjunto com outros dois centros de pesquisa, em Florianópolis e Natal, o pesquisador busca identificar biomarcadores neurais precoces desses transtornos por meio do uso da neuroimagem funcional e estrutural. A ideia é conseguir detectar o risco de uma criança apresentar dislexia.

Paralelamente, o projeto tem por meta divulgar e conscientizar a comunidade escolar sobre os transtornos específicos de leitura (dislexia) e matemática (discalculia), que afetam entre 5 e 10% das crianças em todo o mundo. A pesquisa está organizada em torno de três grandes eixos: avaliação clínico-pedagógica, identificação de marcadores biológicos e construção de modelos preditores de transtornos de aprendizagem.

 

Saiba mais sobre o projeto em palestra do pesquisador apresentada na 2º reunião da Rede CpE:

 

Sobre o Autor

Sofia Moutinho

Jornalista carioca guiada pela curiosidade e fascinada pela ciência. Especializada na cobertura de ciência, saúde, tecnologia e meio ambiente, atuou como repórter da Ciência Hoje durante maior parte de sua carreira. Na Rede CpE, toca a assessoria de imprensa e a produção de conteúdo.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado