Site de universidade brasileira usa probabilidade dos jogos da Copa para atrair interesse pela matemática

Final da Copa do Mundo: Bélgica contra Cróacia. Bélgica campeã. A aposta, com cerca de 27.49% de chance de vitória para o time do país do chocolate, é de um dos cenários apontados por um modelo matemático desenvolvido por estatísticos de universidades brasileiras. Acha improvável? Concorda? Você tem chance de dar seus palpites no site Fifaexperts. Criada por pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a página pretende divulgar a matemática e o conceito de probabilidade ao convidar o público a fazer suas apostas sobre os jogos da Copa em comparação com modelos estatísticos.

No site, voltado especialmente pata alunos e professores de ensino médio, o internauta pode fazer suas previsões das chances de vitória e empate das partidas. Os palpites são comparados a dois modelos matemáticos: o Chance de Gol e o Previsão Esportiva, ambos criados por pesquisadores brasileiros de várias universidades. O usuário também pode ver sua classificação geral em relação aos demais palpiteiros.

Segundo o líder do projeto, o professor de matemática e estatística Márcio Diniz, o objetivo do site é aproveitar o popular evento esportivo para motivar estudantes e professores de matemática, especialmente do ensino médio, a aprender e discutir os principais aspectos da teoria de probabilidades.

“Em geral, livros texto introdutórios sobre probabilidade apresentam o assunto explorando mecanismos aleatórios como dados, extração de bolas de urnas e arremesso de moedas. Esses mecanismos têm um valor pedagógico, mas as questões relacionadas a eles normalmente levam a exercícios envolvendo cálculo combinatório, assim evitando ou tratando insuficientemente os aspectos conceituais mais importantes da teoria de probabilidades”, explica o professor. “Como consequência, muitos estudantes têm a impressão de que a teoria de probabilidades diz respeito apenas a exercícios numéricos daquele tipo. No futebol, como em várias outras situações da vida real, a avaliação de probabilidades requer imaginação, inteligência, treinamento subconsciente, autocrítica e capacidade de evitar inconsistências quando se avaliam vários eventos ao mesmo tempo.”

O projeto tem ainda uma motivação acadêmica. Ao final das apostas, os pesquisadores vão coletar os palpites dos internautas e analisar os dois modelos matemáticos usados.

“Queremos entender possíveis padrões ou razões que levaram as pessoas a acreditarem mais em alguns times do que em outros”, conta Diniz. “A relevância de questões desse tipo não se restringe a psicologia, filosofia da probabilidade e comportamento humano, mas diz respeito a questões importantes de várias áreas práticas. Geralmente, decisões cruciais em economia e medicina dependem da resposta de um especialista, e a opinião que se requer que ele revele é, explícita ou implicitamente, sua avaliação de certas probabilidades.”

E você, já deu seu palpite? E já pensou sobre as chances de estar certo?

Sobre o Autor

Sofia Moutinho

Jornalista carioca guiada pela curiosidade e fascinada pela ciência. Especializada na cobertura de ciência, saúde, tecnologia e meio ambiente, atuou como repórter da Ciência Hoje durante maior parte de sua carreira. Na Rede CpE, toca a assessoria de imprensa e a produção de conteúdo.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado